quinta-feira, 10 de outubro de 2013

REFLEXÃO FEITA POR FREI MARCONI NA CELEBRAÇÃO DO TRÂNSITO DE SÃO FRANCISCO

Há 787 anos os frades e toda a família franciscana celebram na noite do dia 3 para o dia 4 de outubro o Trânsito de São Francisco, isto é, sua passagem da morte para a vida, sua Páscoa. Em Assis, na Itália, sua terra natal e em milhares de lugares pelo mundo afora, esta celebração é vivida por homens e mulheres que veem em São Francisco um homem que seguiu radicalmente Jesus Cristo, o Filho do Altíssimo Deus, e que fez do Evangelho sua norma de vida. 

Em Canindé a celebração da morte de São Francisco, seu Trânsito, sua páscoa é vivida de um jeito e com uma força muito próprios porque aqui, milhares de mulheres e homens, crianças, jovens e idosos, na sua maioria gente pobre e sofrida dão um testemunho de fé no poder de Deus e em Sua misericórdia que toca no coração de qualquer pessoa que esteja buscando de verdade sentido para sua vida. 

Do Ceará, do Maranhão e do Piauí, do Amazonas e do Pará, do Tocantins e do Acre, do Rio Grande do Norte, da Paraíba e de Pernambuco, de Alagoas, da Bahia e de Sergipe e de outras Regiões de nosso imenso Brasil, romeiros e romeiras vêm a Canindé porque aqui, neste sertão cearense, de sol causticante se faz uma experiência de fé que tem suas raízes no caminho do povo da Bíblia, do povo de Israel que peregrinou por 40 anos pelo deserto, guiado por Moisés, até chegar à Terra Prometida por Deus. Aqui os romeiros e romeiras de São Francisco aprendem que apesar de todo sofrimento, da injustiça, da doença e da dor, a vida ganha sentido quando aceitamos o convite de Jesus para carregarmos com Ele a cruz que nos levará à vitória da Ressurreição e ao Reino dos Céus: “Quem quiser ser meu discípulo, tome a sua cruz e siga-me”. Francisco de Assis compreendeu o convite de Jesus, ouvindo a Palavra de Deus na Igreja, prestando atenção aos sinais de Deus, como na igrejinha em ruínas, em São Damião, nas proximidades de Assis, mas sobretudo no encontro com o irmão sofredor – o leproso - abandonado e injustiçado, no qual viu e reconheceu o próprio Cristo com quem devemos nos comprometer e fazer o bem, pois o próprio Jesus nos diz no Evangelho: “todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes”(Mt 25,40). 

Os caminhos dos romeiros e das romeiras de São Francisco não são fáceis, mesmo para os que hoje já viajam de ônibus, pois quem vem a Canindé carrega as chagas de muitos sofrimentos, mas com a força da fé em Jesus Cristo que foi crucificado e chagado por nossos pecados, aprendem com São Francisco das Chagas que quem segue o Cristo pobre, humilde e crucificado encontra a verdadeira vida e a felicidade do céu, já neste mundo. Os verdadeiros romeiros e romeiras de São Francisco não vêm para um passeio, mesmo que na viagem façam amigos e experimentem a solidariedade fraterna ou que vejam em Canindé a beleza das celebrações na Basílica, na Gruta e na da Praça dos Romeiros e visitem o Mosteiro das Clarissas, a casa dos milagres, o zoológico, o museu, a estátua de São Francisco ou outro lugar interessante. Aqui os romeiros e romeiras reabastecem as forças da fé, ouvindo a Palavra de Deus, participando da Eucaristia, curando-se de seus pecados no sacramento da Confissão, percorrendo a via-sacra na qual lembramos o caminho da cruz salvadora de Jesus. 

Nesta noite, nesta celebração, queremos contemplar no homem católico e todo conformado ao Evangelho que foi Francisco de Assis, a força do Altíssimo e bom Senhor, que nos chama à santidade como chamou o pobrezinho de Assis. Ele levou a sério as palavras de Jesus no Sermão da Montanha: “Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo”

No meio de toda a beleza da romaria a Canindé, encontramos vozes que se levantam querendo confundir a cabeça dos romeiros e romeiras de São Francisco dizendo: “Esse Chico não tem poder nenhum! Vocês estão buscando o poder de uma imagem feita pela mão humana!” 

Em Canindé, ouvimos a Palavra de Deus na qual Jesus nos dá o poder que Ele recebeu do Pai – o Espírito Santo – para que nós façamos as mesmas maravilhas que o Filho de Deus fez ao passar por este mundo fazendo o bem a todos e anunciando o Reino dos Céus. São Francisco está vivo em Canindé e continua apontando para o poder de Deus e de Seu Filho Jesus. Os romeiros e romeiras não vem a Canindé ver uma imagem feita pelas mãos humanas, mas sim o testemunho de um homem que no século XIII viveu radicalmente o Evangelho de Jesus e formou uma grande família religiosa feita de homens e mulheres que ainda hoje, em todas as partes do mundo, busca viver o ideal evangélico de Francisco de Assis. Até o papa, que escolheu o nome de Francisco disse que Francisco não é o nome do uma pessoa do passado, mas de um homem que seguiu os passos de Jesus com tal autenticidade que ainda hoje nos atrai para fazermos a mesma experiência de fé e de encontro com Jesus que ele fez há mais de 800 anos. 

Ninguém conseguirá acabar com a romaria de São Francisco das Chagas de Canindé, nem os que semeiam o joio no meio do trigo, nem os que dificultam a chegada dos romeiros e romeiras colocando pedras e barreiras nos caminhos difíceis e cheio de sacrifícios enfrentados pelos devotos e devotas de São Francisco das Chagas. 

Nesta noite, romeiros e romeiras, devotos e devotas de São Francisco das Chagas, aqui reunidos na Praça dos Romeiros, os que nos escutam pela rádio e os que nos veem pela internet, demos glória à Trindade Santa – Pai, Filho e Espírito Santo – acolhamos a mensagem do Evangelho e busquemos vivê-lo em nossas famílias, em nossas comunidades e em toda parte como fez Francisco de Assis há oito séculos. Viva Nosso Senhor Jesus Cristo! 

Viva a Igreja de Jesus Cristo! Viva São Francisco! Viva os Romeiros e Romeiras de São Francisco espalhados pelo mundo inteiro!

Festa de São Francisco das Chagas 2013
Canindé-CE

Frei Marconi Lins, OFM
Ministro Provincial

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...